COME TO ME

domingo, 20 de junho de 2010

CALVINO, UM POUCO DE SUA MAGNÍFICA HISTÓRIA, SEM DÚVIDA, UM IMPORTANTE ATOR NO RESSURGIMENTO DA MENSAGEM E IMPORTÂNCIA DAS ESCRITURAS NO CENÁRIO HISTÓRICO DA IGREJA DE JESUS

Não sou calvinista confesso, e não é  por me envergonhar do grande João Calvino, mas  como não sou autodenominado nada além do que simplesmente crente em Jesus, se isso passa com relativa clareza aos outros, a minha fé. é o que basta. As vezes, para o bem ou para o mal, fica mais claro em determinadas circunstâncias, dizer que se é "evangélico", "protestante", "não-católico",etc. Dito isto, não significa que eu ignore e despreze o grande reformador francês e toda a sua obra, de modo algum. Antes pelo contrário, medito na sua obra, vida, desafios e experiências, e até nos erros de compreensão, pela própria limitação, que cada um de nós possui, seja temporal, cultural, de temperamento, etc.

Visto pelo ponto de vista e foco corretos, há permanentemente inúmeras lições e exemplos advindos de seu testemunho e do testemunho, que a própia história dá desse importante irmão na fé. Há de se concientizar que homens e mulheres que tiveram importantes intervenções no avanço da mensagem do evengelho, não eram como não são perfeitos em todas as suas colocações e ensinos, e João Calvino não é uma honrosa exceção. Confirmar e repercutir seus erros interpretativos acerca de certas questões escriturísticas não é, pelo menos, sábio. Discordo da predestinação como é colocada e defendida com unhas e dentes pelos calvinistas e que a bem da verdade, não resiste a prova dos fatos e sim somente parece-se coerente quando restrita as mesmas declarações e até as mesmas objeções.

A luz do fatos, sem paixões, repito, colocada como é posta por seus defensores e até por seus opositores, é decididamente incorerente e menos explica do que de fato  se propõe a exclarecer. A sua sustentação aparente não se dá pelo ocnjunto da obra, por tudo que as Escrituras apresentam am todo o seu curso e não em passagens escolhidas e preferidas tanto dos defensores como dos opositores. Fica-se dando volta no mesmo ponto, como um cão perseguindo a sua própria calda.

Como posso ser tão duro, e aparentemente nada respeitoso, e convidar o leitor a atentar para a vida do reformador? Na verdade olha-se apenas para um aspecto de sua teologia e fé, e não para a sua vida como um todo. Muitos dos atuais calvinistas espalhados pelo mundo não chegariam aos pés de Calvino, e nem teriam a mesma coragem frente aos mesmos desafios, cuja vitória, tanto nas perseguições, nos embates na proclamação de idéias, nas dificuldades e impedimentos naturais de sua época, limitações geográficas, tecnológicas, de meios realmente, fariam os confortávelmente estabelecidos nos dias de hoje em ministérios ricos e solidificados em regiões privilegiadas do globo, a desanimarem, ou até negarem a sua própria fé. Chega a ser indescritível o preço pago pelo grande reformador, na sua obra, uma real declaração de amor ao Senhor e a Sua Palavra fiel e verdadeira. Isso sim deveríamos tomar como exemplo e imitá-lo, não em uma ou outra opinião apenas.
Entretanto, são nimagináveis, os desafios, os acontecimentos, referentes a toda a vida desse menino, nascido em circunstâncias tão próprias, que se tornou jovem, homem feito, marcou a história ocidental, tem enorme influência nada menos que quinhentos anos depois, contra um enorme número de opositores e frente a uma instituição podereosa e oposta à sua pregação como é até hoje a Igreja Católica Romana. 

Digo até que embora, o Luteranismo seja o mais forte propulsor da volta a Bíblia, o Calvinismo  constitui-se a mais importante fonte de organização da igreja protestante no mundo. O mundo hoje é outro, desafios igualmente particulares a nossa própria época, porém o testemunho de Deus e da salvação em Cristo Jesus, sãoa tão urgentes quanto em sua própria época. Há a preemente necessidade de novos homens e mulheres de Deus com igual ou superior determinação para alcançar as massas, influenciar os poderosos, subverter todo comodismo e testemunhar que o que a Bíblia revela é real e passível de concretização, tanto no presente quanto no futuro mais distante. 

Que há um Deus, uma salvação e uma perdição conforme revelado nas Sagradas Escrituras. João Calvino nos inspira na inteligência, na dedicação aos estudos, ao conhecimento das Escrituras, à liderança, aoensino e sobretudo a pregação da Palavra de Deus com todas as implicações passíveis de seu testemunho ao mundo e a sua própria época. Lembrando que trata-se de uma luta solitária e com forte e decisiva oposição do mundo sem fé e sem conhecimento da verdade.


Abaixo, uma parte da biografia de João Calvino, que todo defensor da igreja que proclama a excelência da Escritura, deveria se inspirar.

Não sou calvinista, como não sou autodenominado nada além do que simplemente crente em Jesus, se isso passa com relativa clareza aos outros, a minha fé. As vezes, para o bem ou para o mal, fica mais claro em determinadas circunstâncias, dizer que se é "evangélico", "protestante", "não-católico",etc. Dito isto não significa que eu ignore e despreze o grande reformador francês e toda a sua obra, de modo algum. Antes pelo contrário, medito na sua obra,vida, deafios e experiências e até nos erros de compreensão, pela própria limitação, que cada um de nós possui, seja temporal, cultural, de temperamento, etc.

Visto pelo ponto de vista e foco corretos há permanentemente inúmeras lições e exemplos advindos de seu testemunho e do testemunho que a própia história dá desse importante irmão na fé. Há de se concientizar que homens e mulheres que tiveram importantes intervenções no avanço da mensagem do evengelho, não eram e não são perfeitos em todas as suas colocações e ensinos e João Calvino não é uma honrosa exceção. Confirmar e repercutir seus erros interpletativos acerca de certas questões escriturísticas não pelo menos, sábio. Discordo da pedestinação como é colocada e defendida com unhas e dentes pelos calvinistas e que a bem da verdade não resiste a prova dos fatos somete parecendo coerente quando restrita as mesmas declarações e até objeções. A luz do fatos, sem paixões, repito, colocada como é posta pos seus defensores e até por seus opositores, é decididamente incorerente e menos explica do quede fato  se propõe a esclarecer.

Entretanto, são nimagináveis, os desafios, os acontecimentos, referentes a toda a vida desse menino, nascido em circunstâncias tão próprias, que se tornou jovem, homem feito, marcou a história ocidental, tem enorme influência nada menos que quinhentos anos depois, contra um enorme número de opositores e frente a uma instituição podereosa e oposta à sua pregação como é até hoje a Igreja Católica Romana. Digo até que embora, o Luteranismo seja o mais forte propulsor da volta a Bíblia, o Calvinismo  constitui-se a mais importante fonte de organização da igreja protestante no mundo. O mundo hoje é outro, desafios igualmente particulares a nossa própria época, porém o testemunho de Deus e da salvação em Cristo Jesus, sãoa tão urgentes quanto em sua própria época.

Há a preemente necessidade de novos homens e mulheres de Deus com igual ou superior determinação para alcançar as massas, influenciar os poderosos, subverter todo comodismo e testemunhar que o que a Bíblia revela é real e passível de concretização, tanto no presente quanto no futuro mais distante. Que há um Deus, uma salvação e uma perdição conforme revelado nas Sagradas Escrituras. João Calvino nos inspira na inteligência, na dedicação aos estudos, ao conhecimento das Escrituras, à liderança, aoensino e sobretudo a pregação da Palavra de Deus com todas as implicações passíveis de seu testemunho ao mundo e a sua própria época. Lembrando que trata-se de uma luta solitária e com forte e decisiva oposição do mundo sem fé e sem conhecimento da verdade.

A vida de Calvino

1] Mas conforme um recente biógrafo de seus lamentos, até tratamentos eruditos de Calvino “continuam quase-hagiográficos.”[2] Isto se espera de zelosos calvinistas, assim como o oposto é previsível de seus caluniadores. Por essa razão, para evitar a acusação de intolerância, tudo dito daqui pra frente. que poderia ser interpretado como prejudicial a Calvino segue em sua maior parte somente aqueles escritores que têm simpatia por ele.

João Calvino foi um francês, nascido Jean Cauvin, em 10 de julho de 1509, em Picardia, Noyon, França: sessenta milhas a nordeste de Paris. É de seu nome latinizado, Joannes Calvinus, que derivamos seu nome no inglês. Lutero já tinha vinte e cinco anos quando Calvino nasceu, mas Calvino nem mesmo sobreviveu aos outros reformadores, morrendo em 27 de maio de 1564, com apenas cinqüenta e quatro anos de idade. Seu pai foi Gerald Calvin, um tabelião, que trabalhava para o bispo católico romano local gerenciando os negócios da catedral.[3] João foi um de cinco filhos, sendo que dois morreram na infância. A mãe de Calvino morreu quando ele tinha três anos e seu pai continuou viúvo e subseqüentemente reconheceu a paternidade de duas filhas. É interessante notar que Calvino da mesma forma se casou com uma viúva e seu único filho morreu na infância. A família era católica romana. Devido à uma dificuldade financeira, seu pai foi excomungado e morreu em 1531, o ano em que seu irmão mais velho Charles foi também excomungado como sacerdote por heresia.[4] Seu irmão mais jovem, Antoine, e uma irmã, Marie, deixou o romanismo com ele, mas uma irmã continuou sendo papista.[5]

Na idade de doze, Calvino recebeu parte dos rendimentos de uma capelania na Catedral de Noyon:

19 de maio de 1521. M. Jaques Regnard, secretário para o Reverendo Padre em Deus, Monseigneur Charles de Hangest, Bispo de Noyon, relatou à assembléia religiosa que o Vigário Geral do supracitado Monseigneur deu a Jean Cauvin, filho de Gerald, da idade de doze anos, uma parte da Capela de La Gesine, vaga pela resignação absoluta do senhor Michel Courtin.[6]

Este era um costume comum na época: apontar um garoto para um ofício na igreja, colocando-o na folha de pagamento, enquanto um sacerdote fazia o trabalho.[7] O rendimento desta fonte de renda era usado para financiar a educação de Calvino.[8]

Aproximadamente nesta época, Calvino foi enviado a Paris, onde ele estudou latim, tendo em vista que toda educação superior naquela época era em latim.[9] Beza relata que no curso de gramática preliminar, Calvino “deixou para trás seus companheiros estudantes.”[10] Calvino era quieto e nunca participava das diversões de seus colegas, censurando suas desordens.[11] Ele então matriculou-se na Universidade de Paris no College of Montague, onde Inácio Loyola (1491-1556) devia estudar anos mais tarde.[12] Após completar seu mestrado, Calvino se transferiu para a Universidade de Orleans para estudar direito.[13] Isto se deve a seu pai, que pensava que seu filho pudesse ganhar mais dinheiro em direito do que no sacerdócio. Calvino escreveu: “Meu pai planejou meu futuro na teologia desde minha infância. Mas quando ele refletiu que a carreira de direito provou ser em todo o lugar mais lucrativa para seus advogados, a possibilidade de repente o fez mudar de idéia.”[14] Em Orleans, Calvino foi considerado um professor antes do que aluno, conduzindo as classes quando o professor estava ausente.[15] Sua próxima busca por educação superior o levou à Universidade de Bourges para estudar sob o famoso jurista, Andrea Alciati (1492-1550).[16] Foi também aqui que ele iniciou seu estudo do grego sob o famoso erudito alemão Melchior Wolmar (1496-1561).[17] Com a morte de seu pai, Calvino retornou a Paris para estudar literatura e os clássicos gregos e romanos.[18] Ele mais para frente também continuou seu estudo do grego e iniciou o aprendizado de hebraico também.[19] Também foi aqui que Calvino, influenciado pelo humanismo, escreveu seu primeiro livro, um comentário sobre De Clementia de Sêneca, mas nunca vendeu muito bem.[20] Foi “a primeira produção de um homem famoso por outras coisas.”[21]

Deve ser lembrado que toda a educação e o começo da vida de Calvino foi passado como um católico romano. Não são muito conhecidas as circunstâncias da conversão de Calvino, visto que, apesar de seus volumosos escritos, ele fez somente uma referência a ela.[22] Vários fatores têm sido alegados como tendo contribuído para produzir a conversão de Calvino. Supõe-se que seu professor de latim, Mathurin Cordier (1478-1564), tenha falado com Calvino sobre suas dúvidas acerca da Igreja Católica.[23] Seu primeiro professor de grego, Wolmar, também é creditado como uma influência.[24] Dizem que Calvino testemunhou a morte na fogueira de um mártir protestante.[25] Pierre Robert (c. 1506-1538), conhecido na história como Olivetan, foi um primo de Calvino que traduziu a Bíblia para o francês. Um papel significante na conversão de Calvino tem sido atribuído a ele.[26] Vários amigos de Calvino que, embora católicos, apoiaram a Reforma, também tem sido sugeridos.[27] Um comerciante luterano com quem Calvino ficou também tem sido citado.[28] Além das Escrituras,[29] e alguns escritos de Lutero,[30] Calvino tinha lido alguns dos Pais da Igreja, Erasmo, e a Cidade de Deus de Agostinho.[31] Todavia o próprio Calvino nunca mencionou qualquer um destes, exceto para Lutero, quem ele leu quando “estava começando a emergir da escuridão do papado.”[32] Este fato é evidenciado pelos calvinistas.[33]

Quanto ao tempo e local de sua conversão, Calvino lançou aos historiadores, nas palavras de Karl Barth (1886-1968), “um osso de disputa feroz.”[34] Várias datas têm sido supostas que variam de 1527 a 1534[35] para o que Calvino chamou sua “súbita conversão.”[36] A única referência que Calvino diretamente fez à sua conversão é encontrada no prefácio de seu comentário sobre os Salmos, que foi escrito em 1557:

Inicialmente, visto eu me achar tão obstinadamente devotado às superstições do papado, para que pudesse desvencilhar-me com facilidade de tão profundo abismo de lama, Deus por um ato súbito de conversão, subjugou e trouxe minha mente a uma disposição suscetível, a qual era mais empedernida em tais matérias do que se poderia esperar de mim naquele primeiro período de minha vida. Tendo conseqüentemente percebido um pouco de gosto e conhecimento da verdadeira piedade, fui imediatamente inflamado de tão grande desejo de colher proveito disto que, embora eu não tenha abandonado outros estudos, todavia me dediquei a eles mais indiferentemente. Agora eu estava grandemente surpreendido de que, antes que um ano se completasse, todos aqueles que tinham algum desejo pela pura doutrina se dirigiam a mim a fim de aprender, ainda que eu mesmo tinha feito um pouco mais do que começar.[37]

Embora ele possa ter sido convertido tão cedo enquanto estudava direito,[38] Calvino não rompeu oficialmente com a Igreja Romana até viajar para Noyon e abandonar sua fonte de renda na catedral em 4 de maio de 1534.[39] Calvino cita a Bíblia em seu comentário sobre Sêneca, mas somente três vezes e de uma maneira acidental.[40] E ainda em junho de 1533, Calvino ajudou uma garota conseguir entrada em um convento de freiras.[41]

Após terminar seus estudos de direito, Calvino viajou para Orleans e então de volta para Paris.[42] Enquanto em Paris, seu amigo íntimo Nicholas Cop (c. 1501-1540) foi apontado reitor da universidade e deu seu discurso inaugural em 1º de novembro de 1533.[43] Para surpresa das autoridades, Cop pregou um discurso suavemente evangélico cheio das idéias de Erasmo e Lutero.[44] Muitos calvinistas creditam a Calvino a composição do discurso de Cop.[45] Todavia, os dois homens foram acusados de heresia.[46] Cop fugiu para a cidade protestante de Basel, enquanto Calvino viajou nos arredores da Europa como exilado, muitas vezes usando outros nomes.[47] Entre o tempo em que ele deixou Paris e finalmente se uniu ao seu amigo Nicholas Cop em Basel há muita incerteza quanto a exatamente onde Calvino estava e o que ele fez.[48] Ele supostamente viajou de volta para Paris para se encontrar com o médico espanhol Michael Servetus (quem ele mais tarde teria queimado na estaca), mas por alguma razão o encontro nunca aconteceu.[49] Sabemos que de Orleans em 1534 Calvino escreveu sua primeira obra teológica, Psychopannychia, em que ele refutava a heresia que a alma meramente dorme entre a morte e a ressurreição, mas que não foi publicado até 1542.[50] Esta heresia foi supostamente defendida por alguns anabatistas, embora Barth reconhece que “não é certo se os anabatistas defendiam isto.”[51]

Em outubro de 1534, alguns protestantes radicais divulgaram cartazes por toda Paris denunciando a Missa Católica como blasfema.[52] Como resultado, os protestantes sofreram intensa perseguição e muitos foram queimados vivos.[53] Bem rápido Calvino fugiu para Basel, pelo caminho de Estrasburgo, onde ele foi auxiliado pelo reformador Martin Bucer.[54] Ele chegou em Basel no início de 1535 e não foi somente reunido com seu amigo Nicholas Cop, mas se tornou conhecido do reformador Heinreich Bullinger também.[55] Enquanto Calvino esteve em Basel duas obras literárias foram publicadas que iriam influenciar profundamente a Reforma. Olivetan publicou sua tradução francesa da Bíblia em 1535 com dois prefácios de Calvino, um em latim e um em francês, e Calvino completou e publicou sua primeira edição de suas Institutas em 1536.[56] Calvino então viajou para Itália e França antes de seguir para Estrasburgo pelo caminho de Genebra.[57] E embora ele não pretendia ficar em Genebra, desse dia em diante: “Falar de Calvino é falar de Genebra.”[58]

Calvino chegou em Genebra em julho de 1536 com seu irmão Antoine e sua irmã Marie. Ele pretendia passar a noite antes de continuar para Estrasburgo quando o reformador genebrês Guillaume Farel (1489-1565), que já tinha estado na cidade por dois anos, escutou que Calvino estava em Genebra e o pressionou a ficar e ajudar com a Reforma, então em progresso na cidade, contra a Igreja de Roma.[59] Calvino relata que Farel “prosseguiu me alertando que Deus amaldiçoaria minha retirada e tranqüilidade que eu buscava para meus estudos se eu fosse embora e recusasse a ajudar quando estivesse tão urgentemente necessitado.”[60]

Após começar como um “Leitor na Escritura Sagrada,” em que ele dava aulas sobre as epístolas paulinas, Calvino logo assumiu o ofício de pastor.[61] Um catequismo e uma confissão de fé foram então apresentadas ao conselho da cidade junto com um documento intitulado Articles Concerning the Organization of the Church and of Worship at Geneva.[62] Depois que estes foram adotados pelo Conselho, numerosas leis foram passadas contra o vício e para o regulamento da oração e disciplina da igreja.[63] Consentimento à confissão de fé era obrigatório a todos os cidadãos de Genebra e o banimento foi decretado para aqueles que não se submetessem.[64] Assim, como Schaff relata: “Foi uma evidente inconsistência que aqueles que tinham justamente se livrado do jugo do papismo como uma carga intolerável, sujeitassem suas consciências e intelectos a um credo humano; em outras palavras, substituíssem o velho papismo romano por um moderno papismo protestante.”[65]

Era tempo de novas eleições em Genebra no início de 1538 e uma mudança no governo subseqüentemente aconteceu. Calvino e Farel não foram aceitos e foram banidos da cidade em abril de 1538.[66] Boettner, embora tentando defender Calvino, apesar disso explica o motivo: “Devido a uma tentativa de Calvino e Farel de forçar um sistema de disciplina severo demais em Genebra, tornou-se necessário para eles deixarem a cidade temporariamente.”[67] Após fixar residência em Basel, Calvino aceitou o chamado de Bucer para vir para Estrasburgo e pastorear a igreja de refugiados franceses.[68] Calvino novamente relata que “resolvi viver uma vida privada, livre dos fardos e preocupações de qualquer cargo público até que o mais excelente servo de Cristo, Martin Bucer, empregando uma espécie similar de protestos contra mim como que, para os quais Farel tinha recorrido anteriormente, me puxou para um novo cargo.”[69]

Estrasburgo era naquela época uma cidade livre na Alemanha onde até os anabatistas eram tolerados.[70] Lá Calvino trabalhou por três anos – pregando, ensinando, e escrevendo. Ele logo estabeleceu uma “disciplina eclesiástica vigorosa” e “não apenas proibiu a comunhão aos indignos, mas exigia que todos que participassem da Ceia se apresentassem a ele para um interrogatório espiritual primeiro.”[71] Enquanto em Estrasburgo, Farel fez o casamento de Calvino com uma de suas freqüentadoras da igreja, Idelette de Bure, uma viúva com dois filhos.[72] Quando perguntado que tipo de garota ele preferia, Calvino respondeu: “Eu não sou do tipo selvagem de amante que, ao ver pela primeira vez uma bela figura, aceita todos os defeitos de sua amada. Eis a única beleza que me seduz, se ela é casta, nem muito atraente nem muito desdenhosa, se é econômica, se é paciente, se há esperanças de que venha a interessar-me por minha saúde.”[73] Calvino e sua mulher tiveram um filho, Jacques, mas ele morreu na infância, e a própria Idelette morreu após nove anos de casamento.[74] A morte de sua esposa foi “amargamente dolorosa” para Calvino, e embora ele nunca tenha voltado a se casar, ele prometeu cuidar dos filhos dela.[75]

Durante sua estadia em Estrasburgo, Calvino escreveu o que tem sido chamada “a melhor apologia da fé reformada escrita no século dezesseis.”[76] Jacopo Sadoleto (1477-1547), um cardeal católico romano, escreveu para os “queridos e amados irmãos, os magistrados, o corpo legislativo, e cidadãos de Genebra” em que ele procurava persuadir a cidade para retornar à Igreja Católica Romana antes que seguir as “inovações introduzidas dentro desses vinte e cinco anos por homens astutos.”[77] A carta de Sadoleto finalmente chegou a tempo a Calvino em Estrasburgo e ele respondeu habilidosamente no que veio a ser chamada a Reply to Sadoleto (Resposta a Sadoleto). Logo depois, quando o governo em Genebra estava tumultuado, foi decidido pelo Conselho de Genebra em 21 de setembro de 1540 que Calvino fosse convidado de volta.[78] Um convite oficial foi estendido a Calvino em 22 de outubro, mas não foi até maio de 1541 que a sentença do banimento de Calvino foi anulada.[79] E embora Calvino tenha anteriormente escrito sobre Genebra que “seria melhor perecer imediatamente do que ser atormentado até a morte naquela câmara de tortura,”[80] ele concordou depois de repetidos pedidos de Farel.[81] Calvino retornou para Genebra em 13 de setembro de 1541, nas palavras de um calvinista, como “a pedra que os edificadores rejeitaram.”[82]

Quando Calvino chegou em Genebra, ele entrou no púlpito que tinha anteriormente deixado vago e começou a expor as Escrituras do mesmo lugar onde tinha encerrado em 1538.[83] Ele passaria o resto de sua vida em Genebra – pregando, ensinando, e escrevendo – até sua morte vinte e três anos mais tarde, em 27 de maio de 1564. Ele sofreu de numerosos problemas nutricionais durante sua vida e sua saúde deteriorou-se conforme envelhecia. Suas últimas palavras supostamente foram: “As aflições deste tempo presente não devem ser comparadas com a glória que há de ser revelada.”[84] Calvino foi enterrado em um túmulo não identificado, como ele tinha desejado.[85] Beza conduziu o funeral e depois escreveu a primeira de muitas biografias de Calvino.[86] Como a maior parte das obras e ministério de Calvino ocorreram em Genebra, mais uma olhada em sua segunda permanência lá está a caminho antes de um exame de sua teologia.




[1] McGrath, Calvin, p. xi.
[2] Bouwsma, p. 2.
[3] McNeil, p. 94.
[4] Schaff, vol. 8, pp. 298-299.
[5] Ibid.
[6] Citado em T. H. L. Parker, John Calvin (Herts: Lion Publishing, 1975), p. 3.
[7] George, p. 169.
[8] Ibid.
[9] Estep, p. 224.
[10] Theodore Beza, The Life of John Calvin, edição nova e expandida, ed. Gary Sanseri, trad. Henry Beveridge (Milwaukie: Back Home Industries, 1996), p. 15.
[11] J. H. Merle d’Aubigne, History of the Reformation of the Sixteenth Century (Grand Rapids: Baker Book House, n.d.), p. 490.
[12] Schaff, History, vol. 8, p. 302.
[13] Wendel, p. 21.
[14] Calvino, citado em Bouwsma, p. 10.
[15] John H. Bratt, The Life and Teachings of John Calvin (Grand Rapids: Baker Book House, 1958), p. 11.
[16] Wendel, pp. 23-24.
[17] Walker, p. 49.
[18] John H. Brath, “The Life and Work of John Calvin,” em Bratt, ed., The Rise and Development of Calvinism, p. 11.
[19] Walker, p. 55.
[20] Ronald S. Wallace, Calvin, Geneva, and the Reformation (Grand Rapids: Baker Book House, 1990), p. 5.
[21] Parker, p. 33.
[22] Bouwsma, p. 10, McGrath, Calvin, p. 70.
[23] Bratt, Teachings of Calvin, p. 13.
[24] Walker, pp. 87-88.
[25] Bratt, Teachings of Calvin, p. 13.
[26] George, p. 172.
[27] Bratt, Work of Calvin, p. 10; Walker, p. 86.
[28] Bratt, Teachings of Calvin, p. 13.
[29] Wallace, p. 9.
[30] Parker, p. 27.
[31] Wendel, p. 31.
[32] Calvino, citado em Walker, p. 76.
[33] McNeil, p. 110.
[34] Karl Barth, The Theology of John Calvin, trad. Geoffrey W. Bromiley (Grand Rapids: Wm. B. Eerdmans Publishing Co., 1995), p. 136.
[35] George, p. 171.
[36] Calvino, citado em Walker, p. 72.
[37] Ibid.
[38] Parker, p. 195.
[39] McGrath, Calvin, p. 73.
[40] Walker, p. 61.
[41] McNeil, p. 112.
[42] Walker, pp. 62-63.
[43] Wendel, p. 40.
[44] Bratt, Work of Calvin, p. 13.
[45] Barth, p. 142; Wendel, pp. 40-41.
[46] Bratt, Work of Calvin, p. 13.
[47] Bratt, Teachings of Calvin, pp. 16-17.
[48] Walker, pp. 119-120.
[49] Barth, p. 146; Walker, p. 119.
[50] Barth, p. 146.
[51] Ibid., p. 151.
[52] Steinmetz, p. 9.
[53] Schaff, History, vol. 8, pp. 320-321.
[54] Ibid., p. 325.
[55] Ibid., p. 325.
[56] Parker, pp. 38-39.
[57] McGrath, Calvin, pp. 77-78.
[58] Ibid., p. 79.
[59] Schaff, History, vol. 8, pp. 347-348.
[60] Calvino, citado em G. R. Potter e M. Greengrass, John Calvin (Nova York: St. Martin’s Press, 1983), p. 46.
[61] Parker, pp. 68-69.
[62] Bratt, Work of Calvin, p. 17.
[63] Schaff, History, vol. 8, p. 355.
[64] Ibid., p. 356.
[65] Ibid., p. 357.
[66] Ibid., pp. 359-360.
[67] Boettner, Predestination, p. 408.
[68] McNeil, p. 144.
[69] Calvino, citado em Potter e Greengrass, p. 54.
[70] Schaff, History, vol. 8, p. 369.
[71] Walker, p. 221.
[72] Bouwsma, p. 23.
[73] Calvino, citado em Schaff, History, vol. 8, p. 414.
[74] Wulfert de Greef, The Writings of John Calvin: An Introductory Guide, trad. Lyle D. Bierman (Grand Rapids: Baker Books, 1993), p. 32.
[75] Bouwsma, p. 23.
[76] George, p. 182.
[77] James Sadolet, citado em Schaff, History, vol. 8, p. 401.
[78] Schaff, History, vol. 8, p. 430.
[79] Ibid., pp. 431, 433.
[80] Calvino, citado em Bratt, Teachings of Calvin, p. 31.
[81] Walker, p. 259.
[82] Bratt, Teachings of Calvin, p. 32.
[83] De Greef, p. 41.
[84] Calvino, citado em Bratt, Teachings of Calvin, p. 71.
[85] Walker, p. 439.
[86] Schaff, History, vol. 8, p. 863.

Fonte: Web

Nenhum comentário:

Postar um comentário

O QUE ACHOU DESSE ASSUNTO?

CLIQUE NA IMAGEM E FAÇA O DOWNLOAD DESSE E-BOOK

CLIQUE NA IMAGEM E FAÇA O DOWNLOAD DESSE E-BOOK
Clique na imagem acima e saiba como fazer o download desse importante e-book

EM DESTAQUE NA SEMANA

VOCÊ NÃO PODE DEIXAR DE LER




09 Dez 2010
Reflexões acerca do que a Bíblia revela e declara sob a ótica cristã autêntica. Nada porém substitui a leitura pessoal da Bíblia, a inerrante Palavra de Deus. LEIA A BÍBLIA! Salmos 119:105 Lâmpada para os meus pés é tua palavra, ...
19 Dez 2010
Essa pessoa sai pensando em Deus de um modo ou de outro, e em decisões que fatalmente terá de tomar frente ao divino. Nas prisões, após ouvir um pregador ou missionário de uma ou outra igreja, os criminosos mais terríveis param para ...
01 Dez 2010
A Bíblia é fonte inesgotável de ensinamentos dados do ponto de vista de Deus. As Sagradas Escrituras só não revelam o que, segundo a aprovação de Deus, Ele mesmo por Si não quer revelar-nos. Deus não revela coisas imposto pela ...
09 Dez 2010
Infelizmente ou ao contrário, como seres sociais e assim planejados por Deus, só construímos conhecimento em cima de informações e conhecimentos que nos antecedem. Por isso é natural não poucos de nós repetirmos conclusões feitas por ...

UM ABENÇOADO E VITORIOSO ANO NOVO A TODOS! OBRIGADO A TODOS OS LEITORES E VISITANTES!

Arquivo do blog

TEOLOGIA EM DESTAQUE: DIVERSAS POSTAGENS


26 Ago 2010
Nessa postagem quero deixar claro que dentre as diversas teologias usadas ( teologia popular, teologia leiga, teologia ministerial, teologia profissional e teologia acadêmica ) a que move a igreja e faz avançar o seu ...
27 Out 2011
Por experiência entenda-se todas as comprovações factuais acerca do que se crê conforme a teologia crida, seja essa oficial, oficiosa, leiga, individual, etc. Assim posto, é necessário colocar que o que me fez tocar nesse ...
25 Ago 2010
A teologia leiga é portanto um passo além da teologia popular, na verdade uma passo acima. Quando um crente dedica-se mais sistematicamente a investigação da sua fé , buscando uma melhor forma de não só expor o ...
11 Jan 2011
Conforme postagens anteriores que esclarecem a diferença entre teologia oficial e leiga, evidentemente em todas as igrejas há, por parte de seus membros uma teologia mais popular e uma teologia pessoal. Mesmos ...

links úteis

Atenção!

TODAS AS NOSSAS POSTAGENS TRAZEM ABAIXO LINKS PARA COMPARTILHAMENTO E IMPRESSÃO E SALVAMENTO EM PDF. NO CASO CLIQUEM 'JOLIPRINT' E UM SITE CONVERTERÁ O POST EM UM PDF AGRADÁVEL DE SER SALVO E PORTANTO GUARDADO PARA LEITURA POSTERIOR ( fica visível em alguns navegadores, aproveite essa funcionalidade extra! )

CRISE NO CATOLICISMO

ACESSE JÁ CLICANDO NO LINK ABAIXO

ACESSE JÁ CLICANDO NO LINK ABAIXO
VÁRIAS VERSÕES, ESTUDOS SOBRE CADA LIVRO DAS ESCRITURAS

NÃO PERCA UMA POSTAGEM DIGITE ABAIXO O SEU E-MAIL OU DE UM AMIGO

Enter your email address:

Delivered by FeedBurner

ATUALIDADE ! CLIQUE NA IMAGEM ABAIXO E LEIA AGORA MESMO!

ATUALIDADE ! CLIQUE NA IMAGEM ABAIXO E LEIA AGORA MESMO!
NÃO PERDER O FOCO...QUAL O REAL PRINCÍPIO DO CULTO? CLIQUE NA IMAGEM ACIMA E ACESSE

CURSO TEOLÓGICO GRÁTIS! *HÁ TAMBÉM OUTROS CURSOS DISPONÍVEIS

QUEM INVENTOU O APELO NOS CULTOS?

SOBRE O LIVRO DE GÊNESIS, LEIA AS PRINCIPAIS POSTAGENS

25 Nov 2010
Tenho algumas vezes, em minhas despretenciosas reflexões ( despretenciosas por não terem o tom acadêmico e muito menos professoral, são apenas reflexões ), dito que se não se crer no que o Livro de Gênesis declara, não é necessário ...
31 Jan 2011
-A razão das atuais, ou pelo menos de predominância histórica, das condições existenciais e morais do homem têm no Gênesis a sua satisfatória resposta. A existência de condições nem sempre e totalmente favoráveis a nosso conforto ...
11 Jan 2011
Como parte do pentateuco, o Gênesis, depreciado modernamente graças a nossa submissão e endeusamento da ciência, que com a sua contribuição à saúde, tecnologia e construção material da sociedade, pouco ou quase nada tem a dizer sobre ...
21 Nov 2010
A religiosidade cristã moderna ou atual, de há muito tem se contentado e desprezado as narrativas de Gênesis, precioado por parte majoritária de setores quase que totais do mundo científico e da falsa sensação de que tudo pode ser ...

O GÊNESIS, COM NARRAÇÃO DE CID MOREIRA E IMAGENS

NÃO DEIXE DE LER OS SEGUINTES POSTS DENTRE OS MAIS LIDOS...

29 Mai 2010
UM LIVRO OBRIGATÓRIO PARA CATÓLICOS E EVANGÉLICOS ACERCA DA ERRÔNEA CULTURA DO CULTO A MARIA. Recebi por indicação do irmão Jorge Fernandes Isha, um e-book gratuito, de leitura obrigatória para os evangélicos e para ...
16 Fev 2010
Judas era o mais culto, de origem e status social diverso dos demais, de outra cidade, e foi substituído não pelo apóstolo dentre os discípulos eleito pelos demais, por própria escolha de Jesus, após a morte de Estevão, Saulo, discípulo de Gamaliel, provavelmente o mais preparado ...Melquesedeque, Maria , José, e tantos outros. Deus se dá a conhecer plenamente a cada um que o ama. O ue Ele fará na história as vezes não noscompete saber, as vezes sim. Essa é a diferença. ...
19 Mar 2010
Tal qual os fariseus, põem não poucos impencilhos que vão desde reparações a pregação simples e com pouca ligação com a hermeneutica e pregação convencionais, a música, letra das canções, a ordem do culto, forma dos apelos e ... Essa pessoa , esse novo crente, como filho ou filha de Deus de fato, tem agora uma nova vida, como Madalena, Zaqueu, o Gadareno, o Centurião, Nicodemos,o ladrão da cruz, Marta e Maria, Lázaro ( não necessariamente nessa ordem ), e tantos outros. ...
04 Mar 2011
Nesse aspecto seria legítimo um católico cultuar Maria como N.Senhora, um muçulmano a Maomé como seu legítimo profeta, um budista como objeto de culto, e assim por diante. Todoslçegitimamente amparados por sentimentos sinceros e ...
English (auto-detected) » English




English (auto-detected) » English


English (auto-detected) » English

VISITE JÁ UM BLOG SOBRE ATUALIDADES RELIGIOSAS E FATOS IMPORTANTES NO MUNDO

VISITE JÁ  UM BLOG SOBRE ATUALIDADES RELIGIOSAS E FATOS IMPORTANTES NO MUNDO
CONTANDO OS NOSSOS DIAS ACESSE JÁ. CLIQUE AQUI!

ESTUDE EM CASA.TRABALHE EM CASA!

leitores on line

OPORTUNIDADE!

LEIA: E-BOOKS EVANGÉLICOS GRÁTIS Clicando na imagem a abaixo você fará os downloads dos mesmos